O Sonho de ser Corno

Fiz um esquema com meu patrão, para ele e um amigo foderem minha esposa, pois meu sonho era ser corno. Armamos para uma tarde de sábado e para lá rumamos, minha esposa e eu. Ela preocupada me dizia que ia atrapalhar a reunião de homens, ao que eu contestava dizendo que meu patrão estava ansioso por conhecê-la. Chegando a nosso destino meu chefe e eu seu amigo já estavam lá. Ele nos recebeu super bem e elogiou muito a beleza de minha esposa. Os dois já estavam em trajes de banho e nos disseram para ir a uma edícula nos fundos. Minha esposa demorou-se um pouco porque queria passar protetor solar. Quando ela saiu e veio até nós com seu biquíni fio dental vermelho estava um tesão. No começo estava tímida e meio sem jeito por ser única entre nós. Sorria timidamente às piadinhas contadas por meu chefe. Mas ela foi tomando umas batidas que meu patrão havia preparado e foi aos poucos se soltando. Tomou uns banhos de piscina e, a cada vez que se afastava meu chefe e seu amigo me diziam que estavam de pau duro só de imaginar cavalgar sua bundona.

Depois de quase duas horas chegou um furgão, era o motorista da firma do meu chefe trazendo um barril e uma chopeira.  Dez minutos depois estávamos bebendo uns chopps. O motorista não apenas trouxe o chopp, como também acendeu a churrasqueira e começou assar as carnes. Comecei a me preocupar porque pensava que só o meu chefe já seria homem suficiente para comer minha esposa, a ideia de partilhar ela com seu amigo também, era muito excitante, porém me preocupava se ela suportaria dois coroas famintos em cima dela. Agora a presença do motorista era um ponto de interrogação, porque não sabia se ele desconfiava de algo. E como seria… As horas passaram minha esposa havia bebido vários chopps e algumas batidas e estava super alegre rindo de qualquer coisa que falavam. Foi quando meu chefe perguntou se ela queria conhecer sua coleção de armas em uma sala de caça que havia na casa. Ela aceitou e foram até lá. Fiquei tomando um chopp com o amigo de meu chefe e com o motorista.

Passados uns quinze minutos eles não voltavam e demonstrei minha preocupação, o amigo de meu chefe disse ao motorista que fosse ver se estava tudo bem lá dentro da casa. Eu disse que iria, mas o motorista me disse que a casa era meio grande, que eu não conhecia, podia deixar que ele conhecia bem e já voltava. Passou menos de cinco minutos e o motorista disse tá tudo bem, sua esposa está vendo a espingarda de caça do patrão. Isso ele falou com um sorriso nos lábios. Em seguida me disse que me levaria até eles. Segui o tal motorista e entramos na casa, atravessamos um corredor longo, descemos uma curta escada, havia uma porta de vidro e logo se via uma série de armas antigas e novas na parede, quando entramos havia um enorme sofá amarelo nos fundo da sala, e lá estava uma imagem que me paralisou. Minha esposinha sentada no sofá e bem a frente dela meu chefe totalmente nu. Ela segurava as bolas de seu enorme saco e sugava com dificuldade aquela vara cabeçuda como um cogumelo. Em sua mão havia uma filmadora que ele aproximava do rosto dela e dizia: -Sua biscatinha juvenil mostra pro seu corninho como se chupa a vara de um velho tarado.

Nisso o motorista se despiu e entregou sua vara menor, porém grossa e mais escura pra ela chupar. Fiquei ali parado de pau duro a vendo mamar as duas picas juntas. Em seguida o motorista foi tirando o biquinezinho dela e passou a chupar com volúpia seus peitinhos bicudos. Ela continuava sugando hora a picona do meu chefe hora as bolas dele. Depois puseram ela de quatro no sofá e ela continuava abocanhando a rola de meu patrão enquanto o motorista passou a chupar a buceta e o cu dela ela foi ficando doida de tesão, gemia como eu nunca vi, e dava uns gritinhos quando o safado do motorista mordia os grande lábios de sua xoxota.Foi nessa hora que meu chefe esporreou em sua boca e segurando firme sua cabeça fez ela engolir todo seu leite chamando ela de puta safada! Neste momento é que me dei conta que o amigo de meu chefe esta com a câmera pegando todos os detalhes. Em seguida o motorista enterrou sua pistola bem dura em sua buceta que estava super lubrificada, e passou a meter segurando seus cabelos  ela gemia de dor e tesão, nisso meu chefe apanhou a câmera e seu amigo sacou o pau pra fora da sunga e enterrou em sua boca.

Minha esposa estava como sempre sonhei dando pra outros homens, sendo uma boa e obediente puta. Em  seguida o motorista gozou dentro de sua buceta e quase simultaneamente o amigo de meu chefe deu uma enorme esporrada em sua cara. Era tanto esperma que o rosto dela ficou inteiramente branco. Em seguida o homem ordenou a ela que retirasse toda a porra com as mãos e engolisse. Sem dar trégua a minha esposa o meu chefe que estava com o rola de pé novamente sem dó alguma  posicionou minha esposa de quatro naquele enorme sofá de  couro, deu uma cuspida sobre a cabeça cogumelo do seu pau e enterrou como havia me prometido em seu cú, confesso que ela passou uns três ou quatro minutos gritando muito, devia estar doendo porque meu pau é médio e não muito grosso, bem diferente da rola do meu chefe. Aquele não sentia dó, ao contrário, parecia sentir ainda mais tesão de ouvir seu gritos. Dava-lhe tapas fortes nas nádegas, que de branquinhas passaram a ficar avermelhada. Até que vencida pelo cansaço ela apenas gemia sendo enrrabada por aquela rola cabeçuda e grande. Enquanto eu me masturbava alucinado pela visão de minha putinha, meu chefe deu uma gozada cavalar dentro daquele cu.

Retirou aquela vara  grossa que estava com um pouco de sangue do cuzinho, quando vi aquele cu arrombado e escorrendo de seu  interior esperma espesso avermelhado pelo sangue dela não aguentei e gozei muito. Logo depois os outros homens vendo tudo isso, já estavam de paus duros e partiram pra cima dela. Ela completamente indefesa e molinha pelo álcool, cansada e arrombada foi obrigada a sentar na vara do amigo de meu patrão enquanto o motorista deu uma cusparada em sua rola grossa e enterrou em seu cu que já estava todo arrombado. Os próximos trintas minutos foram de dupla penetração, e meu patrão bem perto filmando hora as varas duras enterrando e saindo para entrar fundo novamente em seus dois orifícios, hora dando close de seu rosto lindo, suado e de suas lágrimas de dor e tesão. Daí os homens diziam vários palavrões chamando-a de puta , cadela, biscatinha e outros nomes, a ambos com pequena diferença gozaram em seu cu e em sua buceta.

Quando saíram de cima dela ela ficou quase que imóvel e esperma extravasavam de sua vagina e de seu anus completamente dilatados.
Não aguentei e fui limpa-la com a boca. Estava com tanto tesão que bebi a porra que saia dela, sem deixar nenhuma gota. Levamos ela ao banheiro e  demos um banho nela, em seguida ela pediu um pouco de água e a deixamos descansar. Após mais ou menos uma hora, ela vem todo nua e fala que quer mais pica. Os caras ficaram loucos de novo, e como todos tinham tomado um azulzinho, as rolas já estava duras. Levaram ela pro quarto de hóspede deitaram ela na cama. Puseram-na de quatro, cabeça apoiada num travesseiro, e a visão do paraíso para aqueles  homens, aquela bunda grande, firme, bem branca e aquele cuzinho rosado, esperando para ser comido. Passaram um a um a comer seu cu, só no cuzinho, com muita força, iam se revezando, metiam cerca de cinco minutos, e descansavam , enquanto outro a enrrabava. Assim, ficaram por cerca de uma hora, fodendo e enrrabando minha putinha. Já cansados e querendo me humilhar, todos gozaram dentro do cuzinho dela e pediram para eu beber a porra deles, e me mandaram comer o cu dela e gozar dentro de seu rabinho. E assim que gozei, me mandaram beijá-la com tesão e agradecer a ela por ser uma puta obediente.

Agradeci a todos e fomos embora. Minha esposa passou uma duas semanas sem sair de casa, um pouco por vergonha um pouco pelas dores. Na empresa meu chefe me mostrou o filme que ficou lindo porém, ele não quis me dar cópia e me disse que sempre que quisesse ver teria que ser em sua máquina. Agora que já se passou dois meses, resolvi escrever essa experiência, e dizer que apesar de tudo , foi lindo vê-la fodida, depois de casar virgem, e depois de passar quatro anos dando só pra um homem, de repente ver ela se entregar pra três estranhos foi maravilhoso. Louco para repetir a experiência com a minha esposa tesuda

Outros contos...

Comentários (0)

Somente assinantes podem deixar comentários!

Assine ou faça login para poder comentar.
21
Atrações
143
HQs
141
Atrizes
517
Vídeos
4855
Fotos
...